Aula de vagabundagem

Eu vinha tentando evitar tocar nesse assunto, mas serei obrigado. Acabo de receber um press release de um site de nome idiota e pedante, Jornalirismo, que “… foi à USP (Universidade de São Paulo) para participar da aula de democracia que os estudantes da universidade estão dando todos os dias”. O comunicado vai mais longe: “Os estudantes ensinam e aprendem a democracia, no ressurgimento do movimento estudantil”.
Pois bem, vejamos: escândalos explodem todos os dias, eminências pardas de nomes dúbios controlam o país dos bastidores, os legisladores federais, estaduais e municipais aumentam seus proventos à vontade, grandes corporações e pequenos pilantras minam o dinheiro dos impostos que nós pagamos. Tudo isso, e o tal movimento estudantil quietinho. Aí alguém resolve fazer alguma coisa certa: o governador José Serra (que foi da UNE nos tempos em que a sigla significava alguma coisa além do esquema de distribuição de carteirinhas de meia entrada) decide que a USP deve prestar contas do dinheiro que recebe (nosso dinheiro). É o que basta: vagabundos que não precisam ralar para pagar uma mensalidade, apoiados por seus professores meia-oito, ocupam o prédio da reitoria universidade. Apenas o fato de invadirem o prédio já demonstra que a universidade tem seus esqueletos no armário. Os estudantes, coitados, com suas pobres cabecinhas cheias de fumaça de cannabis, são massa de manobra de algum corruptozinho acadêmico que anda mandando pro bolso o dinheiro (nosso dinheiro) destinado à universidade. Reclamam que o governador quer dar ênfase à pesquisa acadêmica que seja voltada ao mercado. Oh, que absurdo! Então o careca quer que a universidade se dedique a atividades de pesquisa e desenvolvimento que ajudem a impulsionar o crescimento do país? Que maluquice!
A polícia, dócil, já deu todos os prazos possíveis para que os filhinhos de papai se retirem do prédio. Mas qual! Eles estão se divertindo, é como um acampamento! É brincar de movimento estudantil lutando contra a opressão, só que sem o risco de prisão, tortura ou morte, ou seja, sem opressão nenhuma. Falava sobre isso com Daniela ontem. Ela, que anda muito sem paciência, acha que a polícia devia invadir logo o prédio. E eu, que sempre fui um pacifista, concordo com ela: quero ver a polícia entrando no prédio dando peteleco nessa molecada. Assim eles têm um gostinho do que é a brutalidade do “sistema”, e de quebra guardam uma historinha de “resistência” para contar para os netos.
Vagabundos. Safados.

59 comments

  1. O pior é q a “pulissa” não pode entrar na USP…
    Comecei matemática lá e desisti… os pseudo-comunistas bunda-moles alunos da “fefeleche” faziam greve por qualquer motivo inútil…
    Borracha neles!

  2. Eu – que tenho a tendência esquerdista de apoiar greves, passeatas e afins – ainda não tinha entendido o por quê dessa confusão toda. Agora, eu entendi.
    Nada como Marco Aurélio pra nos iluminar o caminho!

  3. Eu só digo duas coisas:
    1 – Se a “Choque” aparecer por lá, duvido que algum deses filhinhos-de-papai vá ter peito para enfrentar.
    2 – Acho dificil a “pulissa” aparecer, afinal, não são vagabundos favelados! São os queridos filhos da classe média…

  4. Então, o povo invade um prédio público e se acha no direito de exigir que nao haja puniçao por essa invasão? O protesto nao é pela autonomia? Que tal dar autonomia a tropa de choque pra sentar o cacete nesse bando de vagabundo… Queria ver o governo ser tão condescendente com o movimento dos sem-teto do centro…

  5. Juro que ouvi algo a respeito em um telejornal qualquer e me perguntei: descer a lenha em desabrigados em geral é manha, né? Mandar borracha nos “plêiba” não pode, né?
    É tão difícil ter esperanças de um País melhor hoje em dia…

  6. Matou a pau.
    Aqui em Florianópolis teve a tal “revolta da catraca”, onde filhinho de papai que faz um cursinho de R$ 700,00 tá querendo arrumar ônibus de graça.
    Vagabundos. Safados. Tens toda razão.

  7. fiquei com uma duvida… “meia-oito” foi uma ofensa?
    Agora é que fui saber o porque da “rebelião”… isso pra mim é falta de peia… senta a mão na orelha desses pleiba… heuheuehueheu

  8. Marco, quanto ao último parágrafo, uma ressalva: O que estes idiotas pretendem agora é exatamente obter uma história triste pra contar. Não para os filhos, mas para SP inteiro, nas eleições do ano que vem. E se a história for mesmo boa, com sangue e tudo – imagens chocantes, sabe? – acabam levando ao ar nas presidenciais de 2010. Você está acompanhando as análises do Reinaldo Azevedo sobre o caso? Vale a pena. Inté,

  9. Esquerdinha é fogo. Além das faculdades de exatas (faço Mestrado em Matemática na UFRGS), as faculdades de Letras, Ciências Sociais, História, Geografia e demais cursos que atraem este tipo de gente têm aula por aqui. Eu acho o fim o pessoal que vem para cá só para fumar maconha ficar se engajando em movimentos estudantis que não levam a nada.

  10. Sou contra a ocupação e a forma como esse movimento está sendo levado. Mas você ao menos chegou a ler o decreto do Serra? “Prestação de contas” é um pretexto, o decreto sutilmente dá golpes pesados no ensino superior público. Há um texto do Paulo Martins que um amigo meu reproduziu em seu blog, aqui. Apesar da introdução um pouco pedante, a meu ver (“responsável por oferecer o melhor ensino de graduação”), o artigo aponta alguns dos problemas do decreto.
    É bom entender (de verdade, não pela Veja) o que está acontecendo antes de simplesmente taxar todo mundo de vagabundo.

  11. Entender “de verdade” é ler um texto maculado do discurso da velhíssima esquerda, ainda impregnado de marxismo? Não, obrigado.

  12. Parabéns, Marco. Concordo totalmente com você.
    O fato é que a polícia não agiu até agora devido ao custo político que uma ação firme pode gerar (como o Lambonbroadway analisou, querem fabricar um mártir para usar nas próximas eleições).
    Então ficamos nessa situação, um monte de baderneiros (sim, porque aposto que a maioria nem sabe o que está reivindicando, entraram pela farra – assim como aconteceu há 15 anos, no movimento dos caras-pintadas) que zombam da Justiça e um governo frouxo que não cumpre sua obrigação. Estamos bem, mesmo.
    O que o velho Cardonha acharia de tudo isso?

  13. O conceito de democracia dessa raça é constrangimento e agressão física a professores de idade.
    Por mim, borracha e gás lacrimogêneo com gosto! Mas, com o Reinaldo Azevedo vem frisando na sua ótima cobertura do assunto, o problema é que se o choque encostar a mão num desses tche guevaras de butique, vão usar isso como material de campanha nas próximas 5 eleições. Ele acha até que eles aceitariam de bom grado um cadáver ou outro pra servir de mártir.
    Fico com a solução do Reinaldo: construa-se uma redoma de vidro inquebrável e deixemos o bando lá pelo resto da vida, cobrando entrada de quem quiser visitar os espécimes.

  14. ser contra a ocupação não é a mesma coisa que ser a favor dos decretos, que realmente têm pontos muito obscuros e precisam ser discutidos com mais calma. o problema é que os alunos da usp acham que são donos da usp. um bando de moleques que nasceram quando o regime militar já tinha acabado mas que gostam de fingir que isso aqui ainda é uma ditadura.

  15. Eu estudei em faculdade pública e digo: deve-se prestar contas de cada centavo gasto!!!!!!
    Infelizmente, a cada dia que passa, tenho mais convicção de que a democracia não funciona.
    Se dependesse de mim, a polícia entrava lá metendo a borracha em cada pseudo-esquerdista de plantão.

  16. você anda lendo Wunderbloggers demais, Marco.
    a reivindicação dos alunos da USP, assim como dos alunos da UNESP e UNICAMP (onde mui humildemente me encontro), não passam por essa idéia torta que a mídia vem espalhando de que não queremos ninguém fuçando as contas das universidades. o “nosso” dinheiro tem que ser bem gasto, sem dúvida. a discussão passa por isso – inclusive talvez seja um dos ponto fulcrais da discussão.
    a questão é que as três universidades, a partir de 1989, quando a autonomia foi aprovada e posta em prática, puderam determinar segundo suas próprias demandas (debatidas, conversadas, discutidas, lenta e calmamente) onde aplicariam seus recursos. o que o governador pretende, com esses decretos baixados no dia 1º de janeiro, sem nem ter esquentado a cadeira, sem ter exposto isso em sua pauta de campanha, sem ter discutido com os maiores interessados – a comunidade universitária -, é que essa auto-determinação seja quebrada e que todas as decisões sobre investimentos (de qualquer ordem: da construção de um novo prédio à contratação de novos professores ou funcionários) deva passar por um secretário seu – ou seja, por ele, em última instância.
    não sei se você visitou uma escola pública de ensino fundamental ou médio nos últimos tempos ou se conversou com um ou outro aluno dessas escolas. se não o fez, procure fazer. peça pra que ele escreva seu próprio nome e veja o que acontece… lá em 1989, o ensino superior escapou do desmonte que vem destruindo o ensino público em São Paulo. a autonomia, entre outros efeitos, criou uma blindagem que impediu que tudo fosse perdido… o que infelizmente não aconteceu com os outros níveis de ensino.
    então, assim, se posso pedir, pediria que você procurasse ponderar os fatos ao invés de julgar todos os estudantes grevistas como “vagabundos” ou “safados”. são reivindicações legítimas, penso eu.
    a invasão da USP, por mais controversa que seja, tem sua função. seja pra dar visibilidade ao movimento, seja para pressionar o poder público a ouvir as reivindicações… não creio, sinceramente, que se trate de coisa de estudante “vagabundo” e “safado”. não acho que essas noites frias na reitoria estejam sendo agradáveis.
    cuidado com julgamentos rasteiros, Marco. você pode mais do que isso…
    abraços.

  17. além disso tudo, há a inconstitucionalidade do ato do governador. seus decretos ferem disposições constantes na Constituição Federal e na Constituição do Estado de São Paulo.

  18. ahahahahahahahah mto boa.. tb axo q ese playboys deviam apanhar pra aprender a dexar d ser mimado.. aposto q enxeram o estacionamento da universidade cos carros deles enqto brincavam d escoteiros..
    + ainda prefiro um capitulo biblico ^^

  19. Thiago, alguém tentou conversar? Não. Foram invadindo o prédio da reitoria. Movidos por que força? Ímpeto revolucionário? Cadê o ímpeto revolucionário na hora de protestar por razões maiores? Vagabundos, sim.
    Ah, não ando lendo Wunderblogs demais não. Ainda consigo pensar sozinho.

  20. Acho que decretos de janeiro que só em maio os caras invadem a reitoria é tempo suficiente para tentarem serem ouvidos e terem q apelar…

  21. houve assembléia onde isso foi decidido, Marco. um método legítimo de protesto, adotado por representantes legítimos dos estudantes da USP.
    quando disse sobre os Wunderblogs pensei mais no tom que você tem adotado em seus posts há algum tempo do que em “caralho, o Corélio está sendo influenciado”.
    engraçado você dizer que não há movimentações estudantis por “razões” maiores. isso me parece algo como ignorar tudo o que é feito dentro não só da USP, da UNICAMP como em qualquer outra universidade onde haja estudantes pensando sobre o mundo em que vivemos e propondo caminhos alternativos.
    abraço.

  22. mas se a discussão é somente sobre a ocupação/invasão do prédio da reitoria, acho que não vale a pena me indispor contigo. há um qualquer coisa de certeza cristalina nas suas palavras (que, sim, muito me lembra os Wunderblogs) e eu já aprendi, em anos de discussões acirradas, que quando começa assim, não tem muito por onde ir, porque os caminhos se afunilam.
    agora, se quiser conversar sobre tudo, inclusive sobre a ocupação/invasão, é só chamar. há e-mail, blog, msn… fique à vontade.
    outro abraço.

  23. Não… diz que é brincadeira. Você está falando essa besteira por causa do marketing, não é?
    Você não acredita “mesmo” nisso que escreveu, não é?
    Acedita?….

  24. Acho que temos que separar o motivo do protesto da forma dele. O motivo, ao meu ver (e bem explicado pelo Thiago aqui nos comentários) é mais que justo. A forma (invadir um prédio público) ao meu ver é equivocada.
    Mas o que achei triste no texto do Marco foi ele dizer “vagabundos que não precisam ralar para pagar uma mensalidade”. Muita gente estuda dia e noite durante um bom tempo para entrar em uma universidade pública porque sabe que não vai ter como pagar 4 anos de uma particular.

  25. Oi Marco, blz?
    Então, eu estive lá na reitoria invadida no fim de semana passada. De fato, é deplorável o que aqueles molequinhos de nariz sujo ACHAM que estão fazendo. Conversando com alguns, vi que NENHUM dos que eu falei sequer sabe o que os tais decretos dizem. Apenas são contra. A verdade é que a única reivindicação deles é ter um governo do PT/PSTU/PSOL/PCO.
    Mas esperar o quê? Veja isso: os professores de São Paulo têm uma previdência estadual, não são vinculados ao INSS, coisa que é ótima p/ eles. Aí o governo federal que que eles passem a ser do INSS, e o governo estadual não quer e está brigando com o governo federal por causa disso. O interesse dos professores é permanecer nessa previdência estadual. Aí a APEOESP vai fazer manifestação contra quem? Contra o Serra!!! Dá p/ entender a lógica??? Bom, se vc conseguiu, me explique. 🙂
    Enfim, estou com um texto escrito sobre a invasão, mais especificamente uma troca de e-mails que tive com o ombudsman da Folha a respeito de uma reportagem falaciosa, e nele eu falo sobre minha passagem por lá. Devo publicá-lo hoje ou amanhã (aqui no trabalho é bloqueado). Se quiser dar uma lida, seria uma honra.
    Em tempo: a polícia não pode sair invadindo e batendo em todo mundo pq é justamente isso que eles querem. Sangue. P/ mostrar como o Serra é truculento, violento com os coitadinhos dos alunos que só queriam a paz. Eu, particularmente, acho que deveriam é cercar o prédio, não deixar ninguém mais entrar, cortar luz, água e telefone, e vamos ver quanto tempo eles aguentam. Ainda mais nesse frio!
    Abraço!

  26. Ah, não tinha lido os comentários, e acabei de ler o do Thiago. Bom, ele é o exemplo de quem não sabe do que está falando.
    “decisões sobre investimentos (de qualquer ordem: da construção de um novo prédio à contratação de novos professores ou funcionários) deva passar por um secretário seu – ou seja, por ele, em última instância”
    Isso é mentira. A determinação é de que os gastos sejam cadastrados no Siafen, para ter uma maior transparência. Perceba: os GASTOS sejam CADASTRADOS no Siafen. Ou seja, primeiro se gasta, depois se cadastra. Como isso poderia ser o que o menino está falando? Como assim, a decisão dos gastos vai passar pelo secretário?
    Aliás, outra coisa interessante. A criação da Secretaria de Ensino Superior não muda absolutamente nada o cotidiano das universidades, já que hoje elas JÁ ESTÃO sob uma secretaria: a da Casa Civil. Ora, se o governador quisesse se meter nos assuntos da universidade, quer secretaria melhor p/ isso do que a própria Casa Civil?
    Essas pessoas precisam é aprender a não pensar como massa de manobra. Você vê, eles o julgam, Marco, com o caráter deles: qualquer opinião é manipulação. É que eles não vêem que eles é que são manipulados. Lamentável.
    Abraços,

  27. Oi, Marco!
    Ótimo texto, como sempre. Sao vagabundos safados mesmo os comunistinhas acampados na reitoria da USP.
    Pena que a polícia nao vai bater em ninguém de lá, é sempre tao bonito ver estudante dando faniquito.
    Meu voto o Serra ganharia com muito mais gosto se deixasse de frescura de que podem achá-lo truculento porque mandou cescer o cacete em vagabundo. Eu o respeitaria muito mais se deixasse de proteger quem nao merece.
    Eu nao tenho nada contra a universidade pública, só tenho certeza de que ela está pessimamente servida com a quantidade de esquerdistas que trabalham e mandam nelas.
    Abracos,
    Dietrich

  28. Caralho… vc apoiando o Serra e uma ação enérgica da polícia?!?!?! PARA ONDE ESSE MUNDO VAI??!?!?!
    Só falta vc dizer que só Jesus Salva…

  29. Bom, como tem uma manezada falando pelos cotovelos, deixo meus versinhos também. O que vai abaixo são FATOS e NÃO OPINIÕES. Se não conseguirem chegar às fontes sozinhos eu ponho os links aqui.
    1)os decretos NÃO ferem de maneira alguma a autonomia universitária. eles garantem a transparência das contas. só isso.
    2)a própria reitora da USP ADMITIU que os tais decretos NÃO não mudam em NADA a tal autonomia.
    3)invasão é depredação de patrimônio público é CRIME, não interessando os motivos alegados.
    4)se existe inconstitucionalidade em algum dos decretos deve-se recorrer à JUSTIÇA, e somente à ela, para revogá-lo.
    5)a invasão É DECLARADAMENTE política e tem o objetivo claro de manchar a imagem do Serra. reforço que isso é fato, e não minha opinião.
    6)a autonomia da universidade é tanta que a polícia só pode entrar lá se a reitora pedir. e ela JÁ PEDIU a reitegração de posse. portanto a polícia já tem a autorização LEGAL para desocupar a reitoria.
    Agora vamos lá, se alguém tem provas de que eu estou errado em algum dos 6 pontos acima, sou todo ouvidos. Mas por favor, esqueçam os partidarismos e a ideologia e atenham-se aos fatos.
    Inté,

  30. Eles pretendem o que com essa merda toda? Lançar o próximo Lindeberg Faria, usar essa babaquice como trampolim para políticos escrotos como os que Força Sindical e CUT levaram ao planalto?
    Esquerdinhas de merda sim. Como disse um dos comentários, a maior parte não deve sequer saber o que está fazendo lá! Concordo também com alguém que disse pra cercar o prédio e cortar tudo. Quero ver o tal “movimento” permanecer sem a comidinha, água e guloseimas que papais e mamães da classe média alta andam levando pros comuninhas.
    Hoje de manhã na rádio Bandeirantes alguns estudantes que permanecem comparecendo às aulas estavam reclamando porque estão sendo prejudicados porque diversas áreas da cidade universitária estavam fechadas por conta da manifestação. Ou seja, que não compactua com essa palhaçada ainda se fode!
    Agora, Tiago, faça-me o favor! Em que lugar você viu manifestações estudantis por motivos maiores? Quando? Então acho que está vivendo na França, não no Brasil… de todos os comentários aqui expostos, dizer que isso existe em solo tupiniquim foi o mais absurdo que li!

  31. Eu andei lendo a respeito para ter uma opinião própria e, depois de ler os mal ditos decretos, cheguei à conclusão que não há toda essa frescura de violência à autonomia não. E até que entendo um pouquinho do tema.
    Ratifico o que bem disse o André. Ilegalidade dos atos do Executivo quem resolve é o Judiciário. E não os novos caras-pintadas. O que o Lambonbroadway falou é exatamente o que eu consegui apurar. Nem mais nem menos. Muito bom Lambonbroadway.
    Ainda com relação ao que o Lambonbroadway disse, é como se propaga por aí: contra fatos não há argumentos. Embora nem sempre seja verdade, no caso o ditado é bem aplicável.

  32. Serra modifica decretos criticados por universitários
    O governador José Serra recuou e modificou os decretos que vêm causando protestos nas universidades estaduais e a ocupação da reitoria da Universidade de São Paulo (USP) pelos estudantes desde o último dia 3 de maio. As modificações dão nova interpretação a quatro decretos.
    Um quinto decreto modifica a redação do decreto que criou a Secretaria de Ensino Superior, que passou a cuidar das universidades públicas do Estado. No caso do decreto 51.471, a modificação informa que deixa de ser aplicada às universidades a proibição de contratação de pessoal sem autorização da Secretaria Estadual da Fazenda.

  33. 7)o decreto declaratório do Serra não muda em NADA os decretos anteriores. serve apenas para ESCLARECER o que alguns energúmenos diziam estar “obscuro”.
    Luciana, procure sempre a fonte primária de qualquer notícia. A manchete da Folha é mentirosa. Recomendo ler a íntegra do decreto onde fica claro o que eu disse no parágrafo acima. A própia essência de um decreto declaratório é a explicação, não a alteração. Você pode lêr o decreto aqui:
    http://veja.abril.com.br/blogs/reinaldo/2007/05/universidade-6-ntegra-do-decreto-e.html

  34. Ai, ai…
    Será que o nome (decreto DECLARATÓRIO) já não sugere algo?
    Como o Lambonbroadway disse, decreto declaratório apenas EXPLICA algum anterior, não altera NADA.

  35. Caros Lambonbroadway e André!
    Me desculpe meus anjos pelo mal-entendido. A outra parte do meu comentário acabou não saindo. Maldito computador de conexão meia-boca!!!
    As alíneas “c” e “d” do inciso III , do decreto 2º 51.461 tiveram suas redação modificada.
    Na alínea C estava escrito:
    c) ampliação das atividades de pesquisa, principalmente as operacionais, objetivando os problemas da realidade nacional;
    Para:
    c) ampliação das atividades de ensino, pesquisa e extensão;
    Álínea d:
    busca de formas alternativas e adequadas ao atual estágio tecnológico para oferecer formação nos níveis de ensino de terceiro e quarto graus, com vista a aumentar a percentagem de jovens que cursam a Universidade;
    Para:
    d) busca de formas alternativas para oferecer formação nos níveis de ensino superior, com vista a aumentar o acesso à Universidade, respeitadas a autonomia universitária e as características específicas de cada Universidade;.
    Embora pareçam ser uma outra forma de dizer a mesma coisa, para quem trabalha com ensino e pesquisa, isso faz uma grande diferença.
    A outra mudança a que referi e não saiu, se refere à postura do governador e dos reitores das 3 universidades públicas. O “decreto declaratório” foi publicado no diário oficial acompanhado de uma carta assinada pelos reitores da USP, UNICAMP E UNESP solicitando ao governador que esclareça os decretos assinados em janeiro para a sociedade.
    As alíneas C e D eram um dos pontos discutidos nas pautas da greve, e foi modificado.
    Beijos
    Luciana

  36. Luciana,
    Você tem razão quanto à alteração desses textos.
    Vamos analisá-los?
    ANTES
    ampliação das atividades de pesquisa, principalmente as operacionais, objetivando os problemas da realidade nacional;
    DEPOIS
    ampliação das atividades de ensino, pesquisa e extensão
    Me explique qual pesquisa não é operacional. E, por favor, me explique também qual era o problema em objetivar, com essas pesquisas, a solução de problemas da realidade nacional?
    Pergunto sobre qual pesquisa não é operacional pq imagino que mesmo uma pesquisa sobre o acasalamento de piolhos anões do Camboja gere um resultado operacional, nem que seja para os especialistas em piolhos anões do Camboja. Infelizmente, isso não objetiva os problemas da realidade brasileira.
    Ou seja, eu e todos os paulistas pagamos para alguém NÃO melhorar nossa vida. Mas td bem, é a vida. Acho que ficou claro, portanto, que o que os invasores querem é mais dinheiro para NÃO ajudar nos problemas do Brasil.
    Na alínea D, eu não entendi exatamente a mudança. Pq as duas falam a MESMA coisa, apenas com a variante “respeitadas a autonomia universitária blablalba”, que era implícita, pois a autonomia universitária é garantida pela Constituição.
    Deixa eu entender, mais uma vez: invadiram a reitoria, fizeram isso tudo pq não entendem algo implícito num texto? Mas não são alunos de Filosofia, Ciências Sociais, Letras??? Eles não deveriam, obrigatoriamente, entender um texto?????
    Ok, vc falou que embora pareçam ser a mesma coisa, para quem trabalha com ensino e pesquisa, isso faz uma grande diferença. De fato, eu não trabalho com pesquisa (com ensino sim), mas boa parte da minha família trabalha, e eu não sou tããão estúpido nesse assunto. Mas me explique, por favor, qual é essa diferença que você falou que existe?
    Entendendo isso, talvez eu possa compreender que realmente, o governador recuou. Pq não é isso que eu vejo, no momento.
    Att,

  37. Olha, eu tenho enorme antipatia ao movimento estudantil. Mas existe diferença entre o texto anterior e o atual sim. Vale uma pesquisa rápida no google sobre “pesquisa pura” e “pesquisa aplicada”.
    De qualquer forma, se esse decreto tivesse sido feito pelo PT os ‘setores reacionários’ da sociedade estariam chorando pitangas e acusando o governo de tentar censurar autoritariamente a pesquisa nacional.
    Quem estudou em Universidade Pública durante a gestão Paulo Renato sabe que o PSDB não se amarra muito em ensino superior público.

  38. Já fiz parte do Movimento Estudantil e posso afirmar, a UNE não defende mais os direitos estudantis, defende só o que o PCdoB acha interessante, e só aparecem nas faculdades em época de congressos.
    A Juventude do PCdoB é uma vergonha, completamente manipulada, julgam-se os últimos defensores do socialismo e afirmam lutar por uma sociedade igualitária, mas só querem saber de dinheiro no bolso, dinheiro do partido, é claro, que acaba sendo o nosso dinheiro.
    Enfim… Vagabundos sim.

  39. Vejamos… Li quase tudo o que foi escrito aqui e só vi “paulada” p/ cima das pessoas que estão na reitoria da usp. Alguém aí escreveu que o governo e a reitora dissseram que os decretos não ferem a autonomia. Vcs acreditam em tudo o que dizem? Vcs leram os decretos? Ou ainda, apenas para contrastar com o que vcs acreditam, alguma opinião positiva ou que defenda a ocupação? Estou na Reitoria da USP à 3 semanas, não sou filhinho de papai, ralei pacas para conseguir minha vaga na universidade e faço o que faço no momento pq acredito sim que os decretos ferem sim a autonomia universitária e eles, assim como o pró-uni (apesar de seu papel social), são dois golpes no ensino publico de qualidade, sendo aquele o mais pesado.
    Quanto à prestação de contas, faz alguns anos que existe apresentação de contas ao governo. O que o governo quer é controle das verbas.
    Sei lá, é tudo muito complicado. Tudo o que sai na imprensa sai picotado, distorcem uns pontos, obscurecem outros.
    Só faço o que creio ser certo.

  40. T.S., se você estivesse preocupado(a) em saber todas as opiniões você teria lido todos os comentários. Ainda assim, respondo suas perguntas.
    1) Sim, eu acredito em tudo o que dissemos. Todos os argumentos estão em comentários anteriores. Deixa de preguiça e lê o que passou!
    2) Sim, eu li os decretos. Os antigos e os novos. Nenhum fere autonomia de porríssima alguma.
    3) Sim, pesquisei em outros sites que são a favor da arruaça. O próprio Jornalirismo fala a respeito e nos apresenta, ao final, um link para o site de um jurista que é contra os decretos. Li tudo. Achei um lixo. Sou advogado e posso garantir que o candidato a jurista em quem eles se apóiam precisa voltar a estudar.
    Entendo uma pessoa ser contra as cotas raciais. Existem bons motivos para isso (não que eu concorde com eles). Agora ser contra o Prouni é a prova de que você é filhinho(a) de papai. Ou, pior, que não sabe o que está acontecendo e que sua opinião é claramente manipulada pelo pseudo movimento estudantil que temos hoje em dia.
    Apresentação de contas (que você deu a entender ser a favor) é forma de controle estatal (que você parece ser contra) sobre como as entidades descentralizadas utilizam as verbas que lhes são repassadas. É tudo muito complicado e você realmente não “sabe lá” o que quer.
    O que você crê ser certo é o que lhe dizem que é certo. Tal qual um rebanho de ovelhas sendo guiado por seu pastor: não querem saber onde estão nem para onde vão; o pastor é quem sabe e vão pelo caminho que ele determinar, pois crêem que ali encontrarão comida farta e abrigo. Me parece algumas religiões… Mas isso não importa.
    O que importa é que você pode acreditar no que quiser. Mas aceite que você pode não estar certo e procure ponderar melhor suas posições. Raciocínio é a única arma que a natureza nos deu para sobrevivermos às adversidades. Tente usá-lo.

  41. Galera,
    eu fui aluna de graduação na área de Humanas na UNESP e tive o desprazer de ver filhinhos-de-papai de inúmeros cursos (incluindo Engenharia, Física, Biologia e outros) promovendo baderna, vindo dos cafundorós-não-sei-de-onde e moblizando greves que arrebentavam o ano letivo e a vida de alunos como eu (que trabalhavam durante o dia e pesquisavam na universidade), simplesmente para exigir restaurante com comida a um real; ampliação de moradias gratuitas para todos os estudantes “de fora”; aumento do prazo para “jubilar” e outros assuntos muuuuuuito relevantes.
    Engraçado é que no movimento da USP vejo os mesmos clichês – café da manhã aos finais de semana; ampliação de prazo para jubilar e outras babaquices irrelevantes para o contexto da produção científica e acadêmica nacional.
    Não vejo mal algum que contas sejam, sim, prestadas com total transparência. E acho válido também que se discuta racionalmente o decreto -porém o que vejo são estudantes mauricinhos, divertindo-se com o acampamento em prédio público, empatando o ano letivo e as importantes pesquisas cujas verbas – dizem – querem defender, exigindo debates de assuntos muito alheios aos temas do decreto.
    O que tenho visto?
    Um pretexto para uma grande festa de estupidez.
    Quanto ao colega que disse, nessas postagens, que “não deve ser fácil ficar no frio” ou algo assim, informo que até mesmo festa junina madrugada a dentro fizeram. Sem falar os bate-bolas, os churrasquinhos, o levantamento de quantias razoáveis para isso e aquilo… não vejo qualquer sofrimento nisso tudo, não.
    Sobre outro colega que disse ser da área de Exatas e que “desceu delicadamente o pau” na galera de Humanas, posso afirmar-lhe que nem todos que lidam com Artes, Literatura e similares são criaturas esquerdistas e maconhadas. Há muito bom senso ainda, creia ou não. E a “fofolete”, sem dúvidas, precisa aprender um pouco disso!
    Abraços a todos.
    Ana Terra

  42. Caro T.S.,
    Peço por favor que leia meus comentários anteriores (38, 39 e 46) e tente me provar como aqueles 7 FATOS podem estar errados.
    Leia pelo menos os tópicos 2 e 3 do comentário 38 e me diga se não é uma incoerência você estar aí.
    Lendo o seu comentário tem-se a impressão que você tem boas intenções; talvez falte só mais clareza. Mas acredite, atendo-se somente aos fatos não tem nada de tão complicado no episódio.
    Por favor, repense o que você crê ser o ‘certo’.
    Inté,

  43. Vão estudar, bando de vagabundo! Invadiram patrimônio público pra ficar jogando truco, puxando fumo e namorando (eufemismo)… Dinheiro público é dinheiro de “todos”, não dinheiro de ‘ninguém”… falta de uma boa surra de vassoura, isso sim…
    Abraços ao dono do blog. Sensacional, cara!

Deixe uma resposta para Franque Cancelar resposta