Extras

Já reparou no comportamento dos figurantes de filmes, principalmente de fitas nacionais até os anos 80? É difícil imaginar pessoas fazendo papel mais ridículo. Acho que o diretor enfatiza demais a instrução de não olhar para a câmera. Então, quando entram em cena, os extras vão olhando duro para a frente, sem piscar, sem olhar para os lados, braços colados ao corpo. Para estragar tudo, alguns dão uma olhadela para a câmera um momento antes de sair de quadro.
Agora repare no comportamento de algumas pessoas conhecidas quando você as encontra na rua. Ao ver sua figura ao longe (minha figura, particularmente, é muito visível ao longe, com mais de cem quilos, calva reluzente e andar peculiar), alguns adotam postura de figurante. Imediatamente olham fixo para a frente, sem piscar. Outros, mais profissionais, lembram-se de revirar a bolsa ou de colar o celular ao ouvido. Tudo isso para evitar um cumprimento rápido, um aceno.
Não estou criticando esse comportamento. Pelo contrário: acho que devia ser oficializado. Toda pessoa deveria ter consigo os créditos de sua vida, e distribuir cartões com o papel de cada um. Alguns poucos cartões para os protagonistas: “Mãe”, “Pai”, “Namorada”, “Irmão”, “Melhor Amigo”, “Amante”, “Marido”. Uma quantidade maior para personagens secundários. “Colega nº1”, “Barbudo da Lanchonete”. E para a maioria, o papel de “Extra”. Esses não teriam a obrigação de cumprimentar, de puxar conversa, de nada. Apenas tomariam o cuidado de preencher os espaços e, pelo amor de Deus, não olhar para a câmera.
Para os figurantes:

(Essa mulé parece minha professora de Iniciação à Produção Acadêmica. A voz fanha, inclusive)

10 comments

  1. É vero, Marcurélio! As pessoas fazem figuração e não é de hoje… tudo vai pelo interesse. Acho que não custa nada dar um “oi, como vai?”, simples, sem aguardar resposta, como fazem os americanos, sem ao menos saber quem você é, apenas por EDUCAÇÃO. Hoje o que realmente falta é educação. Você entra no mesmo prédio todo dia, sobe e desce com as mesmas pessoas e elas nem ao menos soltam um “bom dia”, mesmo que formal e frio.
    Concordo contigo e mais uma vez te desejo…
    “Menos um”
    Abcs

  2. MA, td bom? sou um velho leitor seu e blá blá blá… bom, eu já te mandei um e-mail mas vc não respondeu. Fato: queria baixar mais arquivos em PDF mas não estou conseguindo acessar pela Bíblia Sacaneada. Whathehell???
    Me ajuda aí, queridão!
    []´s

  3. É verdade, umas duas vezes eu já fiz papel de figurante, e foi contigo mesmo. Apesar deu não acreditar que lembre da minha cara eu já te vi umas duas ou três vezes na estação Paraiso e fiz exatamente isso que você falou, olhei fixo para a frente, sem piscar e fui reto hahaha quando eu estava com a minha namorada eu simplesmente começa a conversar qualquer coisa nada a ver e andava.
    Mas eu tenho um sério problema em comprimentar as pessoas na rua mesmo, por mais que eu ache você gente fina.

  4. Li o post e no final vejo que você instalou o “related posts” e com o que me deparo?
    “CONVENÇÃO DO BLOG “MAOMÉ, ME CHICOTEIA!””
    Caralho, tinha esquecido disso!
    Porra, como eu tinha tempo naquela época, escrever toda aquela porra não deve ter sido rápido!
    Ah, bons tempos…
    []´s!

  5. Ah, e vi que você sofre do “mal da pagina branca após postar comentários”.
    Porra, eu fiquei fodido com isso lã no Utops, no Alexandria e em outros lugares que eu administro. E fui pesquisar que caralho poderia ser isso. E descobri que podem ser 49 coisas, pqp!
    Bom, no meu caso foram 2 problemas em dois wp distintos:
    1 – era o akismet que tinha problemas com o tema que usávamos, desliguei o akismet e parou de acontecer.
    O curioso foi que depois de dois dias eu voltei a ativar o Akismet e não deu mais o problema. Vai entender…
    2 – Em um arquivo (acho que era o comments.php do template), haviam uns espaços em branco no final do arquivo apos o ?>, eu os removi e funcionou! Porque isso acontecia, sõ Jesus sabe!

Deixe uma resposta para Lucas Fry Cancelar resposta