Chega!

“Chega de historinha!”. “Chega de DVD!”. “Chega de desenho!”. É assim que minha sobrinha Ana Julia demonstra sua exasperação diante da informação em excesso. Imitando-a, digo eu: chega de Second Life! Sim, sim, os mundos virtuais são fascinantes, abrem novas possibilidades, oferecem oportunidades e coisa e tal. Eu escrevi sobre isso em agosto do ano passado; foi (acho) a primeira matéria extensa sobre o assunto na imprensa brasileira. No final, eu escrevi:

Até o final do ano, segundo estudo da E-Consulting, o Brasil terá 4,1 milhões de usuários de internet banda larga. A consultoria prevê que esse número mais do que dobrará em dois anos: em 2008, serão 8,3 milhões. Uma parcela ainda pequena da população total do País, é verdade, mas um público consumidor altamente qualificado. São milhões de pessoas de classe média, portadores de cartão de crédito, internautas convictos, e-consumidores. Em outras palavras, um contingente pronto para conhecer a nova realidade dos mundos virtuais. Que empresas estarão a postos para recebê-los?

A resposta parece ser: TODAS! É um inferno. Todo dia alguma empresa anuncia sua chegada “pioneira” ao mundo sintético do Second Life. Lembro de quando a Internet chegou ao Brasil: todo mundo falava em www. Você corria para lá e para cá, abria outra revista, mudava de canal ou estação de rádio, e não adiantava: lá estava nego falando em arroba, em agatetepê, em dabliodabliodablio. Agora a onda é Second Life. Tomara que venha logo uma bolha como as da .com, que é pra neguinho aprender que não existe atalho milagroso para ganhar dinheiro, e que as regras da economia valem no mundo real, no virtual, no sintético, no inferno, na casa do caralho.

UPDATE: Paulo Vivan, o médium Nelson Moraes e o colega Alexandre Barbosa também andaram exibindo seus respectivos sacos cheios de Second Life. É a blogolândia se revoltando contra o último hype. Blogueiros acham que Second Life é coisa de nerd derrotado. Blogueiros! Pra vocês verem como a situação é grave.

14 comments

  1. Pô, até que enfim alguém disse alguma coisa lógica. Isto está virando doença, e não serve pra nada!
    Numa revista, semana passada, um casal se vangloriava em chegar em casa e ficar, cada um em seu computador, cuidando de seus avatares e conversando online. Na mesma casa! Ora, vão fuder!
    Abraços,
    Sandro.

  2. Ah, vai, fala sério… você deve estar brincando com a gente, Marco.
    Você sabe muito bem que os investidores de risco e o investidor em geral estão muito mais cuidadosos.
    Dessa vez o negócio é comprovar tudo (lembra da SOX?). Se tá bombando é porque deve estar dando lucro (ou tem previsões embasadas de que vai dar)… e deve ficar.
    Mas entendo sua “esperança”, afinal, economia nunca foi uma ciência exata. Muito menos a contabilidade, haha…

  3. cá em Portugal quase não se fala no second life, a febre não pegou. Invejo as pessoas que têm tempo para isso, eu nem para fazer o que quero nesta vida tenho tempo, quanto mais numa outra.
    Gostei muito do teu blog, vou ver se encontro o balde de gelo em alguma livraria. Foi publicado em Portugal?
    beijinhos

  4. Eu ainda não consegui compreender a lógica. Eu passo o dia todo trabalhando em frente ao computador, usando a internet para contatos pessoais e profissionais. Aí eu chego em casa, tenho tempo para algum lazer e passo esse tempo conectado à internet, usando um avatar para trabalhar em um mundo virtual, fazer contatos pessoais e profissionais com outras “pessoas virtuais”. É isto mesmo, ou estou louco?

  5. Olha, há uns 8 meses instalei e joguei o SL durante uns 3 dias.
    Eu jogo jogos de primeira pessoa faz um tempo, comecei com Battlezone no meu TRS-80 e passei por muitos…
    Dungeons of Daggorath, Wolfstein 3d, Doom, Heretic, Duke Nukem 3D e por ai vai.
    Achei esse SL uma merda. Playability uma merda, engine de rendering sofrivel,implementação de fisica péssima, sempre tem lag é um The Sims 2 com pessoas ao invés de bots. E pessoas sucks… 🙂
    Conceitualmente, a ideia é bacana, mas a execução ainda fica muito a dever.
    Ah, cê vai dizer…
    “Com esse seu computador bicheira também!”
    2.5 Gb de RAM, 1,7Tb de HD e uma 9600 XT. Se isso for menos que a recomendação minima, fodeu.
    Eu acho que a razão do sucesso pode ser explicado por duas boas frases:
    “Nasce um trouxa a cada minuto.” – David Hannum
    “Um tolo e seu dinheiro logo se separam.” Thomas Tusser.
    Preciso perguntar para o Pedro Paulo se ele já jogou essa porra…
    []’s, velhinho.

  6. ó só… se eu falar que no tengo la más puta idea do objetivo, motivo, razão e porquê de Second Life vc vai achar que eu sou muito desatualizada? Tá, tá… mas não dá mesmo pra ganhar dinheiro? Essa parte muito me interessa… rsrs…
    Bjus…

  7. Sandro (1º comentário), esqueceu de mandar eles se foderem LITERALMENTE! hahaha
    Adoro esse blog, impagááável.
    Aliás, lembra quando até o zelador do prédio da prima da sua amiga tinha um blog? Eu tinha! 😉
    Febres virtuais..

  8. Eu não aguento mais rede sociais! Orkut, MySpace, Flickr e agora Twitter e Second Life (é rede social, de alguma maneira). Só Orkut e Flickr roubam umas 2 horas do meu dia, todos os dias.
    O Twitter é uma incógnita pra mim. Sério que as pessoas têm tempo para ficar postando o dia inteiro o que elas estão fazendo naquele exato momento? Sem contar que, conceitualmente, o projeto é meio paradoxal: se eu for responder a pergunta da página inicial (“what are you doing?”) sempre que entro lá, todos os meus posts do Twitter serão algo como “estou atualizando minha conta no Twitter”, “estou atualizando minha conta no Twitter”, “estou atualizando minha conta no Twitter”…
    Preciso de férias no campo. Sem luz elétrica.

  9. Não concordo com o Daniel Bastos. Deletei minha conta no Orkut (com direito a bilhete de suicídio e tudo) e ninguém pareceu perceber. Pode ser só falta de carisma de minha parte, mas todo mundo tem trocentos amigos, não dá pra ficar orkutando todo mundo. E digo mais: não sinto a menor falta de todo mundo me encontrar por lá, minha vida é muito melhor agora. Abri outra conta, é verdade, mas não divulguei não. Pra todos os efeitos ainda tô morto.
    Nunca joguei SL e nunca jogarei, simplesmente porque acho a idéia meia-boca demais. Joguei The Sims por muito tempo, mas encheu o saco. Como, apesar de não ter jogado, tenho certeza que SL é uma versão upgrade (com pessoas “reais”) de TS, continuo preferindo God of War. 🙂
    E vai encher o saco mesmo, uma hora. Tudo na vida passa. A própria vida passa, oras…
    Falem sério, jogadores do SL!!! Vão ler um livro, plantar uma árvore, escrever um livro (não é tão difícil, vai, o Paulo Coelho e o Dan Brown conseguem)… Fazer um filho eu não recomendo porque o mundo já tá muito cheio. Mas brincar de fazer pode. 😀
    Abraços a todos.

  10. Duvido muito que as pessoas estejam cuidando de suas primeiras vidas de forma satisfatória, a ponto de poder se dedicar a uma segunda. Esse troço é uma grande perda de tempo mesmo. Preconceituosa? Acho que o Second Life tem é funcionado como uma fuga pra quem não sabe o que fazer da vida real. Enquanto a coisa não pegar (porque, graças a Deus, ainda tem gente que prima por fazer coisas mais “produtivas” em suas horas de folga), o SL serve apenas pra fazer a gente desperdiçar fosfato e ponta de dedo. Grande sacada? A idéia até que é boa. Mas andei por lá, e entro de vez em quando pra ver se alguma coisa mudou. Só vejo uns perdidos, gente querendo extravasar sexualidade, xavequinhos em todas as línguas possíveis. E avatares atraentíssimos….quisera no Real Life tivesse tanta gente linda….e viva a Irreal Life!

Deixe uma resposta para ruben Cancelar resposta