A fuga de Davi e a chegada de Absalão a Jerusalém

(II Samuel 16)
Tendo enviado Husai de volta a Jerusalém, Davi continuou sua fuga. Depois de passar para o outro lado do Monte das Oliveiras, foi surpreendido pela presença de Ziba, empregado de Mefibosete, neto do finado rei Saul. Ziba trazia dois jumentos carregados de víveres: duzentos pães, cem cachos de passas e outros cem de frutas frescas, um odre de vinho. O rei chegou perto e perguntou:
— Eita, Ziba! O que você vai fazer com tudo isso?
— Enfiar no cu do curioso. Porra! Os jumentos são para você e sua família, a comida e o vinho são para a viagem.
— Puxa, fico até comovido.
— Bah, não enche.
— Cadê o Mefibosete, seu patrão?
— Ah, aquilo é um filho-da-puta traidor! Ficou em Jerusalém, diz que agora o trono será devolvido à família de Saul, quer dizer, a ele mesmo.
— Aleijado filho de uma quenga!
De uma quenga e daquele veado do Jônatas…
— COMO É? VOCÊ CHAMOU O JÔNATAS DE VEADO?
— Veado? Quem falou em veado? Eu falei foi finado.
— Hum. É bom mesmo. Bom, você é grosseiro e desagradável, mas pelo menos é leal. Eu sempre soube. Eu sou assim: olho na cara de um sujeito e já sei se ele tem caráter ou não.
— Sei, sei… Foi o que o senhor fez com Mefibosete, Absalão, esses caras?
— NÃO VEM AO CASO! Deixa eu continuar: tudo o que era de Mefibosete agora é seu.
— Quem disse?
— EU disse! Eu, o rei!
— Ah. Mas o rei agora não é Absalão?
— POR ENQUANTO!
— Se você diz… Bom, vou seguir meu caminho. Até logo.
Fazendo uma mesura irônica, Ziba afastou-se, e Davi continuou seu caminho, acompanhado pela comitiva. Quando chegou à cidade de Baurim, foi interpelado por um certo Simei, filho de um tal Gera, parente de Saul. Simei parou na frente do jumento do rei (vocês entenderam) e começou a berrar:
— FILHO DE UMA QUE-RONCA-E-FUÇA! MORDE-FRONHA! CORNO! FILISTEU! CORINTIANO!
O rei tentava contemporizar:
— Opa, peraí, que que há, também não é assim…
Mas Simei continuava gritando seus impropérios:
— ASSASSINO! MATOU TANTA GENTE DA FAMÍLIA DE SAUL, E AGORA JAVÉ TÁ TE CASTIGANDO, SAFADO! O REINO ESTÁ NA MÃO LÁ DAQUELA BICHA CABELUDA QUE É SEU FILHO, E VOCÊ TÁ NA MERDA! AHA, UHU, DAVI TOMOU NO CU! TODO MUNDO COMIGO!
— Aha, uhu, Davi t…
— Calaboca, Itai. Ô, Simei, acalme-se…
— NÃO TÔ TE OUVINDO! — tapou os ouvidos — LALALALALA-LA!
— Vai deixar, majestade? Vai deixar? IIIIIIIIIH, eu não deixava!
— Fica na sua, Abisai.
— Mané o quê! O cara tá te xingando e vai ficar por isso mesmo? Se você der permissão, eu vou lá e corto a cabeça do puto.
— Ah, é? E quem garante que não foi o próprio Javé que mandou esse mequetrefe vir me xingar? Acho que Deus não gosta mais de mim, e deve ter lá suas razões. Além do mais, o meu próprio filho quer me matar; o que esperar de um parente do falecido rei Saul? Deixa o cara gritar, tá no direito dele. Talvez um dia Javé tenha dó de mim e troque essas maldições por bênçãos.
Assim Davi continuou sua jornada, e por um bom tempo foi seguido por Simei, que jogava pedras, terra, e xingava. Davi, que até poucos dias antes fora soberano absoluto sobre todo o Israel, nunca passara por tamanha humilhação. Além do mais, a situação era muito embaraçosa para aqueles que o acompanhavam: o rei perdera seu trono e agora fugia sem rumo, desancado por um zé mané qualquer. Foi, portanto, com cansaço mais moral do que físico que a comitiva chegou ao rio Jordão.
Enquanto isso, Absalão transpunha as portas e entrava em Jerusalém. Husai, o espião enviado por Davi, foi encontrá-lo:
— Salve, majestade! Que beleza de cabelo, hein? E que túnica!
— Ué, ué! Que porra é essa, hein? Que porra é essa? Cadê a fidelidade ao seu amigo? Foi só o bicho pegar que você abandonou o cara?
Husai sentiu nojo ao ouvir Absalão referindo-se assim ao próprio pai, mas conteve-se:
— Mas não tinha outro jeito, majestade! Isto aqui é uma teocracia, é ou não é? Então! Eu fico do lado daquele que Javé escolhe. Eu servi o senhor seu pai durante muitos anos, e agora quero servi-lo. Bom, se o senhor quiser, é claro.
— Ué, ué! Pode ficar, oras. Pode ficar. Só não me atrapalhe.
— Fico muito grato, majestade.
— Tá, tá. Vá puxar o saco de outro. Aitofel! AITOFEL! Cadê esse putão safado?
— Aqui, majestade.
Com a chegada do conselheiro, todos se calaram. Aitofel fora respeitadíssimo durante o reino de Davi, havendo quem dissesse que tinha sobre o rei ascendência maior ainda do que a de Joabe. Para o rei deposto, as palavras de Aitofel eram como palavras do próprio Deus.
— Aitofel, aqui estamos. Entrei na cidade. Entrei na porra da cidade! Sou o rei! Viva o rei!
— VIVA!
— Mas, venha cá… Eu tenho que mostrar a esse povo quem é que manda, sabe? Não quero ouvir nego cochichando por aí que o outro era melhor e coisa e tal. Entende?
— Entendo, claro. O senhor está meio inseguro, é normal no começo…
— INSEGURO? Quem está inseguro? Eu sou o rei, tá sabendo? EU MANDO NESTA PORRA TODA! Inseguro, humpf. Sou o rei. O REI!
— Sim, sim. Desculpe, majestade, me expressei mal. Enfim, o senhor me pergunta o que fazer para demonstrar sem sombra de dúvida que é o chefe agora. É isso?
— Exatamente.
— Pois é fácil: durma com as concubinas de seu pai.
— Como é que é? Eu peço um conselho e você me manda comer as amantes do velho???
— É, ué. O senhor pode vir morar no palácio, assentar-se no trono, fazer caminhadas pelo terraço, nada disso vai adiantar muito: sempre poderá haver alguém que pense na possibilidade de Davi voltar. Mas se você tiver relações com as concubinas dele, vai ficar bem claro que agora é tudo seu mesmo, sem discussão.
— Hum… Acho que entendi. Comendo as mulheres do meu pai, deixo bem claro que rompi de vez com ele, que não o respeito. É isso?
— Isso, isso!
— Ah, nunca achei que seria tão fácil. Vou lá para o harém agora mesmo começar meu serviço.
— Er… Aceita uma sugestão?
— Usar camisinha? Nem precisa dizer!
— Não, não é isso. Seguinte: o negócio tem que ter impacto, sabe?
— Pô, Aitofel, eu me garanto!
— Eu sei, conheço sua fama, majestade. Mas eu tava pensando era num jeito de tornar isso um grande acontecimento. Peraí, já volto.
O conselheiro saiu e voltou com meia dúzia de servos.
— Ei, que é isso? Não preciso de ajuda não!
— Calma, majestade. Trouxe esses homens para montarem a tenda.
— Tenda? Que tenda?
— A tenda onde o senhor vai passar na cara as concubinas de seu pai.
— E vão armar essa tenda onde?
— No terraço do palácio, que é pra todo mundo ver.
— Aitofel?
— Sim, majestade.
— Você é um tarado, o maior pervertido que já conheci.
— Obrigado.
E foi assim que Aitofel acumulou uma pequena fortuna: vendendo ingressos para quem quisesse ver o novo rei dar demonstrações de seu vigor juvenil. A cada concubina que fodia no sentido literal, Absalão sentia como se estivesse fodendo mais um pouco seu pai no sentido figurado. Coisa triste de se ver, mas poderia ser pior: imaginem se fosse o contrário…
Aitofel filmou tudo e ganhou mais dinheiro ainda com a venda das imagens em lojas especializadas e pela internet. Enfrentou problemas com pirataria mais tarde, mas isso já foge à nossa história.

11 comments

  1. Tu é pela-seco mermo! Diz que tá em crise e depois escreve mais um capítulo. Agora vai ter que fechar! Vou chamar a SUNAB, quero meu dinheiro de volta! 🙂

  2. Desde o começo eu achei que esses diálogos pareciam briga de puta na zona.. O final confirmou minhas suspeitas.
    (brincadeira, melhorou, melhorou….)

Deixe uma resposta para Walter Cancelar resposta