Preguiça

Eu ia falar aqui sobre as acusações de anti-semitismo lançadas sobre Mel Gibson depois de seu filme A Paixão de Cristo. Mas estou com insônia e uma preguiça monstruosa, então vamos fazer assim: eu digo que não há nada de anti-semita no filme, ele apenas mostra o que está nos Evangelhos. Quem discordar de mim deve fazer a seguinte reflexão ANTES de qualquer comentário: “Eu conheço a Bíblia, particularmente os Evangelhos, tanto quanto o Marco Aurélio, a ponto de ousar discutir com ele?”. Responda com sinceridade a esse questionamento interno. Se a resposta for “não”, cale-se. Pouparemos muita bobagem com isso, acredite.

31 comments

  1. Marco, creio que seu “pedido” atrairá ainda mais comentários lamentáveis. As pessoas têm, no geral, essa mania de rebater sem argumentos cabíveis… Eu gostaria de poder ler alguns deles, mesmo que você não os publique no blog. Seria bom para dar algumas risadas. Abraços.

  2. olá marco aurélio, sobre esse assunto, eu não entendo muito de bíblia, mas conheço pessoas que leram de cabo a rabo, e ainda por cima a estudam muito. essas pessoas têm a mesma opinião que você. dizem que é superfiel, literal quase.

  3. Eu não sou um conhecedor tão profundo de novo testamento assim, mas não vi anti-semitismo nenhum. Ou alguem tem dúvida de que foram os sacerdotes JUDEUS que sentenciaram um JUDEU à morte por crucificação?

  4. Realmente, é muito legal ler os comentários aos comentários. Virão, certamente, argumentos concretos como: “O Mel Gibson não gosta de Judeu. Eu li na Contigo.”, ou “VAI SE FUDÊ SEU CUZÃO QUE NEM INTENDE US JUDEU QUI NEM EU”.

  5. Concordo, nao ha nada de anti-semita no filme. Fiz questao de ler a parte dos evangelhos que detalha a paixao, entao eu posso nao conhecer TODO o evangelho como vc, mas essa parte eu li.
    O problema eh o seguinte: Nao foram OS Judeus que mataram Jesus. Foram ALGUNS Judeus. Nao pode-se generalizar, mas generaliza-se. As pessos veem ALGUNS Judeus matando Jesus e ja acham que foram todos eles, que Judeus nao gostava de Jesus, essas coisas. E por esse problema de mente pequena o anti-semitismo acaba sendo provocado.
    Alias mente pequena eh um dos maiores problemas da humanidade. Mas vem depois da falta de etica.

  6. oProfeTa!
    Corelho, no meu ponto de vista, a culpa de todo esse lance de anti-semitismo do filme do Mel é dos próprios judeus! SIM! Antes mesmo do filme ser lançado dos States eles já começaram a se defender… Tipo assim, sabe aquele cara que tem culpa no cartório e antes de alguém acusa-lo e ja vai se defendendo, e acaba se enrolando todo!! Mas não os culpo não, se não fossem os judeus não haveria Jesus Cristo´!!

  7. Já falei que adoro resolver algumas discussões com “Cale a boca porque estou falando e tenho a razão” ?
    Pois é, adoro. hehehe

  8. Vou discordar democraticamente com você meu caro oProfeTa!
    “…se não fossem os judeus não haveria Jesus Cristo”
    De onde veio essa idéia ??
    E os ensinamentos ? Isso não foi influência dos Judeus !
    O fato de Jesus ter morrido crucificado não quer dizer nada, o importante foi a sua mensagem !
    Quando é que vai cair a ficha de que esse negócio de doutrina da expiação é coisa do apostolo Paulo ! Isso é teologia dele !! Alias o cristianismo institucionalizado como está é uma invenção dele !!

  9. Tens razão, Marco… que leu a bíblia sabe que anti-semita é a própria história na nação… talvez por isso ainda não acfreditem que cristo tenha vindo. Com o devido respeito, se minha nação tivesse matado seu protagonista, eu tb negaria sua existência…

  10. Blé. Tá, eu calo a boca.
    Mas gostei da defesa, mesmo assim.
    Como não assisti o filme ainda, pergunto: e a parte do chicote, embrulha ou nao embrulha o estômago?hehe, minha amiga assistiu e ficou meio mareada!!!
    Agora tou com um baita medão de ver o filme por causa disso! =)
    “nem intende os judeu qui nem eu” foi legal!

  11. Não, não conheço a merda da Bíblia e o caralho dos Evangelhos tão fuderosamente bem quanto o porra do Marco Aurélio, mas certamente conheço mais de política pra poder dizer, sem nenhum pudor e sem nenhum peso na consciência, correndo mesmo o risco de ser processado por calúnia (já que imputo um crime ao crente Mel), que a porra do filme é, sim, anti-semita PACARALHO!
    E digo mais: se o filme é FIDELÍSSIMO à Bíblia como você disse (o que eu duvido – sempre é uma interpretação da interpretação da interpretação…), então a porra da Bíblia também é anti-semita PACARALHO!
    E esse papo de dizer que é politicamente correto, e não sei o que, é mania de quem gosta de ser do contra só por ser do contra. Tá na moda, hoje em dia…
    E tenho dito.

  12. Walter,
    Não entendi seu comentário. Pq é anti-semita PRACARALHO (não entendi o comentário mesmo vc repetindo essa frase quinze vezes :~ )

  13. Boa Rentato !!
    Agora não vi nada desse bafafa de anti semitismo quando foi lançado a lista de Schindler !
    “Se a resposta for “não”, cale-se. Pouparemos muita bobagem com isso, acredite.”
    Portanto Walter siga o conselho do Marco !!

  14. a questão mais interessante seria. Será que o evangélio é tão puro assim? Não contém nem um pouco de anti-semitismo?
    Não sei. Lanço-me à pesquisa e espero chegar a alguma conclusão até o fim do mês.

  15. Olha, Marco Aurélio, sou pastor há mais de 8 anos, e posso falar, com toda propriedade, que o tal filme é anti-semita. Na minha Bíblia, a verdadeira Bíblia(e não a pseudo-biblia dos catolicos) está escrito que profanar o nome do Senhor é pecado! Portanto, cuidado!

  16. E sem falar mal dos judeus, mas sim dos Israelenses, veja que para expulsar os Palestinos de suas casas, os Israelenses bloquearam os comboios da ONU que levam comida aos Palestinos, que agora passarão fome, já que as plantações Palestinas foram destruídas por Israel.
    Ou seja, os Israelenses usam a fome como tortura para poder se apropriar da terra Palestina, veja:
    http://news.bbc.co.uk/2/hi/middle_east/3582617.stm
    Enquanto isso, em todos os quartéis do exército Israelense, as REGRAS RELIGIOSAS mandam que eles joguem no lixo diariamente dez por cento de toda a comida boa para consumo que eles recebem, olha só:
    http://www.maarivintl.com/index.cfm?fuseaction=article&articleID=5379

  17. Fui assistir ao filme com esse idéia na cabeça: perceber se há anti-semitismo ou não… E percebi que é preciso separar as coisas.
    Mataram o judeu Yeshua por um motivo político, que mancomunava com os interesses tanto do Império Romano quanto dos sacerdotes do Templo.
    Os romanos já tinham, naquele tempo, problemas com aquela província – revoltas, rebeliões e o caralho – e não seria interessante para eles ganharem mais um motivo de preocupação vindo diretamente de Nazaré com uma renca de galileus atrás.
    Os sacerdotes do Templo mantiveram durante todo o tempo bíblico, desde Moisés, um poder subjugatório baseado na ira divina. Dominavam a população da Palestina confiando na fé que os reunia em torno daquele Deus que te faria muito mal, se você saísse da linha. De repente, aparece um carpinteiro nazareno propagando uma idéia simples e – eis o ponto – maravilhosamente acessível a qualquer judeu cativo (dos sacerdotes): com vocabulário simples (diferente daquilo que está escrito na Bíblia e daquilo que ouve-se nos filmes a respeito) ele dizia que tudo o que você precisava fazer para alcançar a graça (e entendam isso como bem quiserem) era amar. Qualquer um é capaz de amar sem que pra isso precise de um rabino ou qualquer intermediário que seja.
    Era interesse de Roma e dos sacerdotes Templo que o carpinteiro Yeshua fosse morto. Uma população que fosse acordada para essa realidade que ele expunha com seus ensinamentos poderia, em dois tempos, acabar com o poder de ambos os lados. Não haveria mais espaço para a legitimação da fé por meio de representantes. Pensando nisso, os sacerdotes manipularam a opinião pública (fazendo-os trocar Barrabás por Jesus) e o representante de Roma em Jerusalém, Poncius Pilatus.
    Política. Pura e simples. O que vem além disso é história. Ao ler o Novo Testamento tem que se levar em consideração que aquilo é interpretação da interpretação. Cinqüenta anos depois da morte de Jesus. Dele, o que vale, é o principal ensinamento e que resume tudo o que foi dito: “Amar a Deus sobre todas as coisas, e ao próximo como a ti mesmo”. Fazendo isso, se é que se acredita nisso, uma boa parte do caminho para ser uma boa pessoa está traçado (e aqui, também, vale a interpretação de cada um).
    Perdão pelo post fora de lugar. Mas é que eu tentei dizer isso no meu site e não consegui. E aqui deu certo.
    Abraço, Marco.

  18. Não conheço o evangelho tão bem quanto o marco.
    Nem vi o filme.
    Mas dar pitaco sempre é massa.
    Por mais que o filme mostre judeus “matando” cristo. (atenção às aspas)…
    antes de serem judeus eles são seres humanos.
    E essa é a moral da história.
    Sempre foi.
    Ou não?

  19. Sinceramente? Foda-se. Uns judeus, mataram outro judeu. Problema dos judeus. Se é anti-semita ou não é problema deles. Lavo minhas mãos.

  20. Você está mais que certo… cheguei atrasado na conversa, mas acho que conheço os Evangelhos como você. O filme é fiel ao texto bíblico. Foi isso que eu disse na reportagem sobre o filme que nosso jornal (evangélico) publicou aqui em Natal.

  21. O cristianismo só existe porque JC foi crucificado.
    JC só foi crucificado porque Judas o entregou, os sacerdotes o condenaram e o Pilatos “acatou” a condenação.
    Logo, o cristianismo deveria ser grato a Judas e aos judeus, que não deixam de ser co-autores das religiões cristãs.
    Se Jesus deveria morrer para salvar a humanidade, Judas e os judeus não passam de um instrumento de Deus no processo de salvação. Ou estou errado?
    Já pensou se Judas muda de idéia? “Ah, deixa pra lá. Jesus é gente boa, não vou dedurar não.” Jesus não é crucificado, continua vivendo sua vida de hippie e o cristianismo nem existe.
    Não sei porque os cristãos têm essa bronca toda de Judas.

  22. Porra, quando falam da “mensagem” de Cristo, vocês deveriam ler o antigo testamento, pois tudo o que foi escrito no novo é um repeteco mal-feito do antigo, com uma boa dose de ignorância. Então, pra que ficar lendo releases, se pode-se ler o original, que é bem mais interessante. E além disso, não vem com aquelas mentalidades doentes de paulo e joão. Aliás, ainda não perceberam que não existe cristianismo? Existe, sim, uma religião mistureba de cultos pagãos que foi misturada por paulo para pegar bobo. O que todos conhecem por cristianismo não passa de “paulismo”. Jesus, se é que existiu essa criatura, era judeu, e não tinha a menor idéia de criar uma outra religião, mas de reafirmar a sua, ou seja, o judaísmo. O resto é conversa.

  23. eu ainda acho que o filme foi bem literal aos Evangelhos (tirando a parte do terremoto – o q era aquilo??) mas não gostei da estrutura do filme. Os caras gastaram 2horas torturando JC e apenas 1minuto de Ressurreição? Jc é famoso, o cara, não pelos flagelos q passou, pq estes até hj tem gnt q passa por coisa pior. Jc é o Filho de Deus pq ressuscitou, coisa q nenhum humano até hj conseguiu. E a bosta do filme dedicou 1 minuto a essa parte importantíssima da história. Horrível, um filme horrível

  24. Lendo esses comentários chego a conclusão que muitas pessoas só escrevem aqui por saberem que vão ser lidas, como o tal do Walter… sem comentários para o que disse… ele gosta de estar na moda pelo jeito…

Deixe uma resposta para Adriano F. Cancelar resposta