A infiltração

Fui ontem à Funhouse para a comemoração do aniversário da Bárbara. Não conhecia ainda o lugar, apesar das constantes intimações da Clarah, e gostei muito. Mas um fato me deixou meio assustado. A banda de Diego Medina subiu ao palco e eu imediatamente reconheci dois de seus componentes: o baixista e o pseudo-tecladista. O baixista eu demorei a identificar como sendo Pedro Sá, que toca com Caetano Veloso. E o pseudo-tecladista, que ficava de braços cruzados numa pose pretensiosa quando seus serviços não eram requeridos, e vez por outra enfiava o dedo numa tecla aleatória era ninguém menos que Moreno Veloso, o Filho do Homem.
Quando escrevi sobre o VMB deste ano, comentei sobre a sombra de Caetano Veloso pairando há quase 40 anos sobre a música brasileira, e sobre a mania do baiano de dar sua bênção a quem não a pede. Sei não, sei não… Aparecer ele mesmo na Funhouse seria dar muita bandeira, então acho que ele infiltrou dois agentes. Já o vimos saudando o Los Hermanos, em breve teremos declarações do mais ilustre filho de Dona Canô louvando o cenário alternativo. Aguardem.

4 comments

  1. Pô, eu te vi lá. E sabia que era você. As impressões não poderiam estar erradas.
    Essa suas fotos do blog grudaram no meu cérebro o bastante para te reconhecer sentado na mesinha.
    Mas naquela hora estava mais aéreo do que nunca, e queria mesmo era ver Diego Medina.
    Depois você sumiu. E eu fui embora perambulando a Paulista e comendo um bauru que ainda vai fazer estragos…
    Até mais!
    E sim, você nunca ouviu falar de mim na sua vida.

  2. Gil, mentiroso
    você reconheceu logo três integrantes da banda (Turma, como eles chamam) do Diego… o Moreno “Ileayé”, o Pedro Sá e o Kassin! Conta ae que tu conhece o Kassin! 🙂

Deixe uma resposta para moskito Cancelar resposta