A morte de Nadabe e Abiú

(Levítico 10:1-7)
Bom, lembram do Nadabe e do Abiú? Como não, porra? Filhos de Arão, portanto sacerdotes. Baixem aí o PDF do Êxodo, deve ter algum capítulo em que eles são citados. Mas também nem vale o esforço, porque eles já vão morrer mesmo. Vão vendo.
Numa manhã qualquer, os dois chegaram ao Tabernáculo para mais um dia de trabalho. Como de hábito, a primeira obrigação do dia era queimar incenso.
— Ô, Nadabe. Me passa o incenso aí.
— Que incenso? O incenso tá com você, oras.
— Tá louco? Hoje era seu dia de trazer incenso.
— Nem a pau! Eu trouxe ontem.
— Ai caralho… E agora, o que a gente faz? Se não tiver incenso, capaz do Javé ficar puto.
— Porra, tá com medo do Javé? Tá parecendo o pai e o tio Moisés, com esse negócio de Javé pra cá, Javé pra lá.
— Ah, então vamos fazer o quê? Deixar sem incenso e pronto?
— Claro que não. Peraí.
Nadabe saiu da tenda dizendo que voltava logo. Não foi difícil encontrar quem ele procurava; era o único sujeito de túnica laranja-brilhante no meio de tanto branco e cinza. Chamou o cara e ele veio pela estrada que levava ao Tabernáculo, cantando e tocando seu pandeiro:
Hare Krishna, Hare Krishna, Krishna Krishna, Hare Hare. Hare Rama, Hare Rama, Rama Rama, Hare Hare. Hare Krish…
— Ô, Hare Krishna, chega de cantoria. Quanto tá esse incenso aí?
— É um real.
— UM REAL??? Mas é incenso de primeira qualidade!
— Pois é, aproveita que tá baratinho.
— Puxa… Olha, esse incenso é tão bom, mas TÃO BOM que eu vou levar… UM! (*piada interna)
Comprado o incenso, voltou para o Tabernáculo.
— Olha aí, Abiú. Duvido que o tal Javé vai saber diferenciar este incenso aqui daquele que queimamos todo dia.
— Nadabe, cê sabe o que tá fazendo?
— Claro que sei, oras.
— Vê lá, hein…
— Deixa de ser bunda mole, Abiú! Sai daí, deixa que eu queimo essa porra.
Todo seguro de si, Nadabe puxou seu Zippo do bolso da túnica e acendeu o incenso. Na mesma hora, deus acendeu seu Zippo gigante lá no fundo do Tabernáculo e lançou uma labareda que matou os dois irmãos carbonizados.
— Hehehe. Queriam me sacanear? Sacaneei vocês!
Vejam que deus bom e maravilhoso! Os caras trocaram o perfuminho dele e pronto: Bastou para que ele os matasse. Um pouco depois, Arão chegou e deu de cara com os dois filhos mortos no chão da tenda. Sem saber o que fazer, ligou pra Moisés, que veio na mesma hora.
— A-ai, ca-caralho, q-que a-aconteceu?
— Sei lá! Cheguei aqui e meus meninos estavam mortos. Isso é coisa do Javé, Moisés.
— É, de-deve ser m-mesmo… Hum… P-peraí, que i-incenso é e-esse? I-incenso de ha-hare k-krishna? P-putz, foi i-isso. Q-queimaram i-incenso e-errado e Ja-Javé fi-ficou p-puto.
— PORRA! Só por causa do incenso? Não é possível!
— C-claro que é p-possível. Ja-Javé é ch-cheio de ma-manias.
— Que filho da puta… E agora?
— A-agora o ne-negócio é se-sepultar os c-corpos.
Moisés então ligou para Misael e Elzafã (!!!), primos dele e de Arão, para que eles viessem tirar os corpos de dentro da Tenda e sepultá-los fora do acampamento. Enquanto isso, Moisés foi falar com deus para saber o que deveria fazer. Depois de um tempo saiu para falar com Arão e seus dois filhos restantes, Eleazar e Itamar:
— Se-seguinte: A o-ordem de Ja-Javé é q-que vo-vocês n-não fi-fiquem de lu-luto p-pela mo-morte dos dois. T-todo o po-povo de I-Israel po-pode fi-ficar de lu-luto, só vo-vocês que n-não. E vo-vocês estão p-proibidos de s-sair do Ta-Tabernáculo, se s-saírem, v-vão mo-morrer.
Que beleza, não? Mata os filhos do cara e ainda o proíbe de lamentar a perda. Isso é que é um deus bom!

3 comments

Deixe uma resposta para Eduardo Cancelar resposta