Isaque em Gerar (ou: Filho de corno…)

Nosso amigo Isaque não tinha tempo para prestar atenção nas negociações dos filhos sobre primogenitura. Uma preocupação maior o afligia: a fome que começava a assolar Canaã. Vendo que a situação não ia melhorar tão cedo, levantou acampamento e foi para Gerar, na Filistia, onde Abimeleque continuava firme e forte como rei.
Vocês sabem que certas coisas são hereditárias, né? Por exemplo, meu pai é cabeçudo, minha mãe também, então só por um milagre eu teria uma cabecinha normal. Meu pai é careca, eu também, só que tô ficando mais que ele, o que não é nada legal. Pois então, parece que a vontade de ser corno também é hereditária. Não que eu ou meu pai tenhamos essa vontade, tô falando de Isaque: chegando a Gerar, temendo que os habitantes da terra o matassem para ficarem com Rebeca que, como já foi dito, era muito bonita, disse a todo mundo que eram irmãos, a mesma coisa que seu pai Abraão fizera no Egito e em Gerar. Só que Abimeleque ficou desconfiado, já conhecia as manias esquisitas dessa família. Então, antes de tentar alguma coisa com Rebeca, ficou de olho nos dois por um tempo. E não deu outra: olhando pela janela do palácio um dia, viu Isaque e Rebeca trocando carícias no jardim (vejam só, um homem de mais de sessenta anos! Esse Isaque era sangue bom demais, e só se fodeu na vida). Mais que depressa, chamou Isaque à sua presença.
— Porra, Isaque, que história é essa? Então de tanta coisa boa que cê tinha pra aprender com seu pai, foi logo aprender o que não presta? Será que você não sabe que esse golpe não dá certo? Já imaginou se alguém come sua mulher? Cê não ia poder reclamar com ninguém, e ainda era capaz de o seu deus querer destruir a gente!
— Ô, Abimeleque, desculpa aí, foi mal. Mas é que Rebeca é tão bonita, olha só pra ela! Era capaz de me matarem por ela, entenda minha situação.
— Tá, mas cê não sabe que eu sou rei dessa porra aqui e amigo do seu pai? Era só chegar aqui e me dar um toque que eu providenciava proteção pra vocês. Aliás, é o que eu vou fazer.
E Abimeleque baixou um decreto determinando que qualquer um que fizesse alguma coisa contra Isaque ou Rebeca seria morto. Como já dizia Mel Brooks no filme História do Mundo, é bom ser o rei…

* * *

Isaque ficou muito tempo morando em Gerar, e conseguiu ficar mais rico do que já era. Os filisteus sentiram inveja dele e, por não poderem fazer nada com Rebeca, resolveram tapar os poços cavados por Abraão naquelas terras (todos esses lugares de que estamos falando situam-se nas redondezas do que hoje é o Estado de Israel, onde a terra é desértica e a água tem muito valor).
A situação foi ficando delicada, até que um dia Abimeleque resolveu que o melhor era convidar Isaque a se retirar de suas terras. O cara era rei, então Isaque nem discutiu e foi morar num vale ali perto. Desentulhou os poços que os filisteus haviam tapado e colocou neles os mesmos nomes que Abraão havia posto.
Mas a briga por causa de água não parou por aí: um dia os empregados de Isaque cavaram e encontraram uma mina d’água. Mas os pastores filisteus discutiram com eles, dizendo que a água pertencia a eles, que negócio era aquele, onde é que estávamos, essas coisas. E Isaque botou o nome de Eseque (que significa discussão) no poço. Os servos cavaram mais adiante e econtraram mais água. E lá vieram os filisteus com a mesma ladainha, e esse poço Isaque chamou de Sitna (inimizade). Antes que seus servos cavassem outro poço e os filisteus viessem encher o saco de novo, obrigando-o a batizar o poço de Pequepê ou Caraidiasa, Isaque mudou-se para mais longe. Nesse lugar conseguiram cavar um poço em paz, e foi chamado de Reobote, que significa terra espaçosa.
Depois de um tempo, Isaque mudou-se para Berseba, lugar onde Abraão e Abimeleque haviam feito um juramento de cooperação mútua no passado. Abimeleque saiu de Gerar com um amigo chamado Auzate e com Ficol, comandante de seu exército, para ir até Berseba falar com Isaque. Ao ver quem o chamava na porta da tenda, Isaque nem se levantou:
— Ah, então você me expulsa da sua terra, eu tenho que agüentar seu povo me enchendo o saco por causa de água, e agora vem aqui com a maior cara lavada? Ah, Abimeleque, vai à merda.
— Ô, Isaque, não é bem assim. Vim aqui pra pedir desculpas. Mas a situação lá em Gerar não estava boa pro seu lado, cê sabe como é inveja. Com decreto real ou sem decreto real, mais cedo ou mais tarde alguém ia acabar com a tua raça. Quer saber? Pedir que você saísse de lá foi um favor que eu te fiz.
Isaque pensou bem e viu que Abimeleque podia até estar com a razão. Estando ou não, Isaque era gente boa, e mandou preparar um banquete para as visitas. Já de madrugada Isaque e Abimeleque firmaram um juramento semelhante àquele firmado entre este último e Abraão, e Abimeleque, Auzate e Ficol voltaram para Gerar sem maiores problemas.

3 comments

  1. DEUS AINDA TE AMA APESAR DE TUDO. ENQUANTO VOCE VIVER E RESPIRAR HAVERA OPORTUNIDADE DE TE SALVAR COMO O LADRAO NA CRUZ.VOCE TEM O DIREITO DE DIZER O QUE QUIZER,PENSAR O QUE BEM ENTENDER,ESCOLHER O CAMINHO QUE PREFERIR,MAS NAO PODERA FAZER O MESMO COM AS CONSEQUENCIAS.O QUE FAZES FERE A SANTIDADE DE Deus.

Deixe uma resposta para sauhsuha Cancelar resposta